Um casal numa ilha deserta chamada quarentena

O confinamento social, que atingiu o mundo, mudou o cotidiano de todos mas, especialmente, aquele que é experimentado pelos casais. Uma nova realidade se apresentou para ser conhecida, enfrentada e vencida.
Há muitas notícias das dificuldades encontradas nessa nova realidade. Por isso, Mulher de Classe traz algumas reflexões sobre como cuidar dos relacionamentos.

A vida a dois pode ser bastante benéfica. Vários estudos mostram que o casamento ou a união entre duas pessoas estimula a adoção de atitudes e comportamentos saudáveis no dia-a-dia, tais como evitar fast foods, se preocupar com a segurança do outro, incentivar a prática de atividades físicas, lembrar do horário dos medicamentos, entre outros hábitos e costumes.
Relacionamentos harmoniosos, tranquilos, geram alegria e felicidade para o casal e, consequentemente, contribuem até na recuperação de doenças.

Mas é claro que nem sempre tudo é um mar de rosas! Situações de estresse são capazes de desorganizar e conturbar relacionamentos. Longos períodos de exposição obrigatória entre um e outro, como é o caso da quarentena que vivemos, fazem aflorar personalidades fortes, manias e defeitos, que podem dificultar e até mesmo impossibilitar a convivência.
Nesses momentos é muito importante observar e controlar com mais cuidado as emoções e reações. Emoções fortes geram reações fortes que, se desmedidas, podem causar danos irreparáveis.

Assim como a natureza, que é cíclica e muda a cada estação, são os relacionamentos. No outono, as folhas das árvores caem e elas ficam secas, parecem mortas. Se não houver paciência e sabedoria necessárias, acaba-se cortando uma “vida” que, na próxima estação, em alguns meses, estará linda, frondosa e florida novamente.

Psicólogos da Universidade do Tennessee, nos Estados Unidos, estudaram casais que estão há muito tempo juntos para saber como eles costumam resolver suas discussões. O estudo mostrou que casais que se declararam mais felizes tinham menos problemas graves e se preocupavam mais com o que poderia realmente melhorar seus relacionamentos.

Sue Johnson, psicóloga de Ottawa, no Canadá, diz que o segredo para manter relacionamentos fortes e vibrantes é a responsividade emocional.

Os motores das relações mais saudáveis e felizes são:

  • empatia
  • positividade
  • tornar rotina a expressão de carinho e
  • conexão emocional

Helen Fisher, antropóloga biologista do Kinsey Institute, da Indiana University, descobriu que pessoas que se consideram muito satisfeitas com seu relacionamento praticam a empatia, o controle dos próprios sentimentos e a manutenção de uma visão positiva do parceiro.
Para Fisher, controlar o estresse e as emoções é uma habilidade que pode ser sintetizada em um conceito simples: “Fique quieto e não se mova. Se você não consegue se segurar sozinho quando a raiva aparece, desvie-se dela: vá para a academia, dê uma volta com o cachorro ou leia um bom livro. Faça qualquer coisa que tire você de um caminho destrutivo.”

Observe algumas dicas de estudiosos que poderão ajudar a atravessar tempos difíceis.

  • Lembre-se de que seu parceiro, assim como você, não é perfeito. Portanto, erros, enganos, deslizes podem acontecer. Ajude-o a identificá-los e se fortalecer, para evitar que se repitam.
  • Defeitos todos temos. Apontá-los no outro com frequência é atitude negativa, que entristece, deprime e pode afetar a autoestima. Melhor focar nas qualidades. Valorizá-las, em oposição aos defeitos, pode permitir que eles sejam percebidos, entendidos e evitados.
  • Aceite seu parceiro como ele é. Conversas sobre as diferenças podem otimizar o relacionamento e facilitar a convivência. Querer mudar seu parceiro e transformá-lo na pessoa dos seus sonhos não funciona. Nos sonhos tudo é possível. Na realidade as coisas são bem diferentes, mas podem ser contornadas.
  • Problemas têm sempre um culpado. Mas encontrar soluções é mais produtivo do que apontar o culpado. Por isso, busque ser positiva ao invés de insistir em atitudes negativas. Tire o peso da culpa e coloque-o na solução.
  • Os melhores alimentos para um relacionamento feliz são atenção, carinho, demonstração de afeto. Afinal, se hoje estão juntos é porque em algum momento o sentimento de amor os aproximou. Preserve esses sentimentos. Alimente-os e faça-os crescer.

Esses comportamentos contribuem para preservar o relacionamento e os torna mais duradouros. Durante o isolamento social, essas reflexões podem ajudar a atravessar essa fase. Porque estamos mesmo numa fase, como numa estação do ano, que vai passar e logo as árvores florescerão novamente.

Fonte: Psicólogos Berrini, Iana Faini – Seleções,
Sempre FamíliaA Soma de todos Afetos, AletéiaFreepik.