O mundo na ponta dos seus dedos
...

bandeira

Junto com você na conquista do seu espaço. Com classe, elegância e muita determinação



 

Mulher
Saúde
Espiritualidade
Profissional
Dona de Casa
Imóveis
Dona Con
Cantinho
Artigos e Links
Receitas
Em Família
Educação
Festas
Na Sociedade
Comportamento
Direitos
Entretenimento
Etiqueta
Filantropia
Turismo
Variedades
Lojas Virtuais
Tudo na Internet
Pets
Links

 

 EDITORIAL 2


 

UMA MULHER DETERMINADA

 

Nascida na Hungria, veio para o Brasil aos quatro anos de idade junto com seus pais, fugindo dos perigos da Grande Guerra, depois de terem a casa tomada pelos inimigos.

Como pretendessem voltar para a Hungria, colocaram Julinha (como ela gostava de ser chamada), aos seis anos de idade, em uma escola húngara, em São Paulo, para que ela aprendesse a ler e escrever em seu idioma natal.

Porém, três anos mais tarde, sua mãe faleceu e seu pai decidiu voltar sozinho para a Hungria, deixando a pequena Julinha sob a guarda do irmão mais velho e sua esposa.

Aí começaram os desafios da vida para Julinha.

Com a difícil situação daquela época e a falta de orientação adequada, seu irmão e sua cunhada acharam conveniente torná-la a empregada da casa. Assim fazendo, deram-lhe apenas o mínimo necessário, negando-lhe o direito à infância.

A única bonequinha que teve, contava que acabou caindo na privada, e ao pedir ajuda para pegá-la, deram a descarga.

Esse tratamento se prolongou por toda a infância, até a adolescência de Julinha.

Submetida a todos os trabalhos da casa pelo irmão e sua esposa, havia ainda uma legião de filhos, que nasciam quase que anualmente, aumentando suas tarefas com um número sempre crescente de bebês e com a cunhada, que vivia de resguardo.

Julinha, determinada a vencer os desafios que a vida lhe impunha e a sair daquele inferno, aproveitou a experiência adquirida, cuidando da cunhada em seus partos, doenças e recuperações, e começou a fazer um curso de enfermagem à noite.

Saía logo depois de servir o jantar para a família do irmão, guardando em seu armário um pedaço de pão, pois sabia que ao voltar da escola só encontraria louça suja dentro da pia.

Assim começou a se preparar para trabalhar em um hospital. E conseguiu!

Adulterando seus documentos para 18 anos, idade em que era permitido começar a trabalhar nessas instituições, conseguiu uma colocação no Hospital Samaritano, como ajudante de enfermagem.

Determinada a vencer na vida, com o passar dos anos, seu empenho no trabalho associado à dura economia de vida que se impunha, permitiram que guardasse um dinheirinho. Junto com uma amiga, montou uma loja de artigos para senhoras bem em frente ao Hospital Samaritano.

Maravilhoso! E as coisas iam bem mesmo.

Até que a amiga, com olhos grandes sobre a renda da lojinha, esqueceu-se da amizade e deu-lhe tamanho desfalque que a obrigou a encerrar os negócios e a responder por vários processos em que foi envolvida.

A situação ficou muito difícil!

Cheia de dívidas que não tinha feito, ainda acabou perdendo o emprego no Hospital, em virtude dos processos que envolviam seu nome.

Tinha lutado tanto para crescer e não podia acreditar que estava naquela situação, sem perspectivas.

Enfim, graças à luz Divina, alguns conhecidos decidiram ajudá-la e assim conseguiu um trabalho como enfermeira da matriarca de uma família nobre da época, que sofria de distúrbios mentais.

Logo Julinha descobriu porque ninguém parava naquele emprego e, é claro, sentiu na própria pele os problemas desse motivos.

Como sua situação fosse muito crítica, sem a menor condição de arcar com o aluguel de um quarto, nem com a própria alimentação teve que ficar naquele emprego. Ali, ela tinha um canto para dormir, comida e um salário. Em contrapartida, se submetia a todo tipo de humilhação e perigos que um "louco" pode impor a quem dele trata.

Mas, Julinha jamais se dava por vencida e batalhava o tempo todo para conquistar uma situação melhor. Graças à sua dedicação e paciência com aquela senhora, por mais de oito anos, o patriarca da família a premiou com uma casinha à Rua Cajahíba, no pobre e longínquo bairro da Pompéia de então, em São Paulo.

Seu sofrimento diminuiu, uma vez que passou a ter o refúgio de sua casinha nas poucas horas de folga durante a semana.

Depois da morte da matriarca, ainda cuidou por um bom tempo do filho da família, que sofria do mesmo mal que a mãe, até que encontrou sua cara metade - um brasileiro vindo do Mato Grosso para ganhar a vida em São Paulo - e casou-se.

Juntos, trabalharam muito para construir a vida, enfrentando e vencendo toda sorte de dificuldade que os atropelavam pelo caminho.

Julinha fazia massagens em domicílio para senhoras da alta sociedade, enquanto seu marido trabalhava como madeireiro, viajando muito em busca das melhores "toras".

Ela trabalhou até a véspera do nascimento de sua primeira filha, e depois do nascimento, as necessidades não permitiram que parasse, então levava sua filha na casa das madames, colocando-a em cadeiras no começo e depois, amarrando-a com lençóis aos pés das camas das clientes, para que ela não quebrasse nada da casa.

Teve mais dois filhos - uma menina e um menino. Viveu bons momentos, com saúde e alegria.

O menino era o sonho de seu marido. Quando conquistaram uma vida mais tranquila e estável, ela engravidou e tornou realidade o sonho dele. No entanto, quando esse menininho nasceu, seu marido teve diagnosticado um câncer no omoplata e não resistindo à doença, faleceu onze meses após o nascimento do garoto tão esperado.

Julinha não acreditava!!!

Sozinha outra vez, com três filhos e uma série de compromissos que não conhecia e outros com os quais não estava acostumada a lidar.

Além da demora em receber sua primeira pensão de viúva, a companhia na qual seu marido havia feito seguro, se negou a pagá-lo, alegando que ele sabia da sua doença quando o contratou.

Mais ainda. Parte do pouco dinheiro que conseguiu fazer com a venda de alguns bens móveis foi desviada por aqueles que diziam querer ajudá-la.

Mas Julinha jamais desanimou!

Criou e educou seus três filhos, lutando muito, enfrentando e vencendo a seu modo todas as tempestades.

Vitoriosa, essa mulher determinada foi a responsável pelo desenvolvimento de três pessoas de caráter, honestidade e humildade mas, que lhe copiaram a altivoz e o brio.

Viu todos construírem suas vidas e até lhe darem netinhos.

Agradecia sempre a Deus por todas essas graças.

Hoje, Julinha descansa ao lado d'Ele, certamente num jardim de margaridas, sua flor preferida.

 

Julinha é a mãe do Mulher de Classe. Inspiradora e merecedora de todas as homenagens.

Na passagem do dia Internacional da Mulher - 8 de março - Julinha dá a lição, dá o exemplo e, principalmente o alerta - a mulher não precisa de um dia no calendário, nem de homenagens sociais. Uma mulher precisa apenas de auto-estima e determinação para marcar sua passagem pela vida das pessoas.

Julinha marcou!

A essa mulher maravilhosa rendemos nosso preito de saudades, honrados e orgulhosos de tê-la tido em nossas vidas.

 

Mulher de Classe

março/2010