INICIAL

Notícias Contato Consultor Publicidade Cadastre-se Mapa do Site

Mulher


Saúde

Psicologia

Cultura

Beleza

Moda

Esportes

Espiritualidade

SExualidade


Profissional


 Trabalho
Comportamento
Marketing Pessoal
Motivação

Dona de Casa


Decoração

Imóveis

Jardinagem

Manutenção

Finanças

ARTIGOS & LINKS
Dicas
Receitas

Finanças


Em Família


Filhos

Educação

Festas


Na Sociedade


Comportamento

Direitos

Entretenimento

Etiqueta

Filantropia

Turismo


Variedades


Lojas Virtuais

Tudo na Internet

Pets

Links


Agradecemos

sua visita


 

Depressão, Gênero Feminimo

(*) Prof. Dr. Renato Sabbatini
 

.....A depressão é um dos maiores problemas de saúde do mundo. De uma forma ou outra, cerca de 17% da população tem um ou mais episódios de depressão suficientemente grave durante sua vida. Para a maioria das pessoas, esses episódios são relacionados a algum acontecimento adverso, como a morte de uma pessoa próxima, a perda de um emprego, a falta temporária de perspectivas, o sofrimento com doenças crônicas, etc. São as chamadas depressões ocasionais, ou situacionais, e geralmente se corrigem sozinhas, com o tempo; ou com uma psicoterapia de apoio.

.....Entretanto, algumas pessoas têm depressões graves, verdadeiros distúrbios mentais, altamente debilitantes. Para essas pessoas,a depressão é um manto negro e pesado, que cobre e sufoca tudo, causando um sofrimento indescritível, uma diminuição enorme da auto-estima, do otimismo e da vontade de viver. Os estudos mostram que entre 2,5% a 6% da população pode sofrer depressões deste tipo.

.....Os psiquiatras sabem, hoje, que este tipo de depressão grave tem origem biológica, tendo sido detectadas numerosas alterações na bioquímica e até na anatomia do cérebro. Usando técnicas ultrasofisticadas de obtenção de imagens do cérebro, como a tomografia de emissão positrônica (PET), os pesquisadores são capazes praticamente de medir quantidades de determinadas substâncias químicas liberadas pelas nossas células cerebrais, chamadas de neurotransmissores. Esses estudos mostraram que os deprimidos graves têm um grande déficit de um neurotransmissor chamado serotonina, que está envolvido no controle das emoções. Além disso, determinadas áreas do cérebro, como o giro cingular subgenual, que também faz parte dos circuitos cerebrais das emoções, apresentam uma diminuição de quase 50 % no número de células nervosas de um deprimido grave, em relação a uma pessoa normal. Assim, não é de se surpreender que a maioria dos medicamentos antidepressivos modernos, como o famoso Prozac, ajam efetivamente no cérebro através do aumento da serotonina; compensando o déficit que o deprimido grave tem.

.....Um fato intrigante a respeito da depressão, no entanto, é que a incidência é muito maior entre as mulheres do que entre os homens. Levantamentos epidemiológicos recentes, como um estudo feito na Itália com quase 1000 pessoas, e outro feito nos EUA, com mais de 8 mil pessoas, mostram que a depressão grave atinge quatro vezes mais mulheres do que homens, e que depressões ocasionais ou bipolares (alternância entre euforia e depressão), atingem duas vezes mais mulheres do que homens. Além disso, as mulheres têm uma maior duração da doença, apresentam maior número de sintomas, somatizam mais, e geralmente relatam depressões mais graves e difíceis de tratar. Um número muito maior de mulheres é internado em hospitais para tratar depressão do que homens também (quase cinco vezes mais).

.....Qual seria a causa desse fenômeno? Teria ele uma origem cultural e psicológica, ou também poderia ser explicada por fatores biológicos ?

.....Um dado interessante é que as mulheres são mais atingidas pela depressão na fase premenstrual (principalmente associada coma famosa tensão premenstrual, ou TPM) e no período antes da menopausa. Coincidentemente ou não, são fases em que os hormônios femininos, como o estrogênio e a progesterona, diminuem muito seu nível sangüíneo. A terapia de reposição de estrogênio, que está sendo muito usada para compensar a diminuição natural causada pela menopausa, melhora, entre outra mostrou que a resposta de queda de serotonina ao estresse é muito maior nas mulheres).

.....O importante é que todas essas descobertas sirvam para progredir o tratamento da doença depressiva, e que tenhamos cuidado em não discriminar as mulheres por causa da maior incidência (existem empregadores que evitam contratar mulheres nas fases de idade consideradas mais problemáticas, como entre os 40 e 50 anos, e essa é mais uma diminuição de oportunidades de trabalho para uma minoria já bastante discriminada).


(*) Dr. Renato Sabbatini é médico e professor e teve este seu trabalho publicado no Jornal Correio Popular de Campinas, 17/06/97 e na revista "Saúde e Vida On-Line".
Conheça a premiação recebida pelo Mulher de Classe

Fale direto

com toda Mulher de Classe

Clique AQUI.

Escolha o assunto. Lá estará uma

Mulher

de Classe

INFORME-SE.

Mercado qualificado?

Mulher

de Classe

é o principal.

CONHEÇA.

Informação,

sensibilidade

e muito bom gosto. Tudo

reunido numa

Mulher

de Classe

DECIDA JÁ.

Relação entre custo/benefício

é padrão na

Mulher

de Classe

FALE COM ELA!

Seja profissional,

estudante ou dona de casa, ela sempre será

Mulher

de Classe

FALE COM ELA!